Dono do Bahamas tem prisão decretada, mas hotel é liberado

agosto 8, 2007 at 6:38 am 5 comentários

Hoje deu no jornal que as obras do Oscar´s Hotel, localizado ao lado do Aeroporto de Congonhas, que, segundo os pilotos, atrapalham na aterrissagem, foram liberadas. 

É lógico que, em pleno caos aéreo, as obras deste hotel seriam liberadas. Também é lógico que o Bahamas, atualmente interditado, vai voltar a funcionar daqui a pouco. Afinal, com um cara como Oscar Maroni, não se brinca. Vai que ele resolve fazer como a Madame Washington e divulga o nome dos clientes da “casa de tolerância” mais luxuosa do Brasil? Aposto que até o Suplicy deve ter seu nome na lista.

Mas o bizarro mesmo foi Kassab só ter descoberto agora que o Bahamas era puteiro. Tá bom então.

Para ler a matéria na íntegra, clique aqui.

Anúncios

Entry filed under: bizarrice, Leitura Diária, política.

O caos omitido O protesto revolucionário dos Cansados

5 Comentários Add your own

  • 1. eder leonardo  |  agosto 8, 2007 às 8:42 am

    Oi Carolll!
    Seja bem vinda!!!!
    Que bom!
    Grande abraço,
    saudações sivuqueiras!
    😀

    Responder
  • 2. Régis Marques  |  agosto 8, 2007 às 9:45 pm

    O Oscar Maroni não pode estar prejudicando o transporte aéreo com seu empreendimento, afinal, são muitos os “aviões” que desfilam nas pistas do estabelecimento do empreendedor…

    Responder
  • 3. donquixotedelaprensa  |  agosto 9, 2007 às 3:07 pm

    Veja esta, peguei no site Consultor Jurídico.

    Rota de saída
    Dono da boate Bahamas pede ao TJ-SP para não ser preso
    por Fernando Porfírio

    O empresário Oscar Maroni Filho, dono da boate Bahamas e do Oscar’s Hotel, pediu Habeas Corpus à Justiça paulista para que não seja preso. Sua prisão preventiva foi decretada pelo juiz da 5ª Vara Criminal de São Paulo, Edson Aparecido Brandão, na segunda-feira (6/8). Maroni está foragido desde então.

    O pedido de Habeas Corpus foi distribuído para o desembargador Euvaldo Chaib, da 4ª Câmara Criminal do Tribunal de Justiça de São Paulo. O pedido de liminar deverá ser decidido esta quinta-feira (9/8).

    Oscar Maroni responde a processo criminal por favorecimento de prostituição, exploração de casa de prostituição, tráfico de pessoas e formação de quadrilha ou bando. Ele é apontado pelo Ministério Público como chefe de uma organização criminosa que afronta o Estado, incentivando mulheres à prostituição.

    Segundo a denúncia, o empresário mantém um estabelecimento voltado a atividades criminosas, sem o competente alvará de licença de localização e funcionamento. Ainda de acordo com a Promotoria, o denunciado estaria construindo um complexo de 11 andares ao lado da boate para aumentar seus negócios e manteve uma passagem ligando a boate ao hotel.

    “Contra o denunciado Oscar Maroni Filho existem mais do que indícios veementes de prática de crime formação de quadrilha ou bando, favorecimento da prostituição, exploração de casa de prostituição e tráfico interno de pessoas”, afirmou o promotor de Justiça, Carlos Blat. “Assim, visando assegurar a garantia da ordem pública e a efetiva aplicação da lei penal requeiro que seja decretada a prisão preventiva de Oscar Maroni Filho nos termos do que dispõe o artigo 312 do Código de Processo Penal”, completa o promotor.

    A investigação do Ministério Público Estadual começou em 2004. Na época, foram apreendidos na Bahamas documentos com nomes e telefones pessoais de funcionários da prefeitura paulistana, de policiais civis e militares da Aeronáutica. Nas agendas estão nomes de servidores do Contru, Secretaria da Habitação e Administração Regional.

    “Eles (os nomes) podem evidenciar a facilitação para obtenção de benefícios visando o funcionamento sem qualquer interferência das autoridades públicas do prostíbulo, além da eventual facilitação na obtenção de documentos para a edificação e futuro funcionamento de hotel”, diz a denúncia do MP estadual.

    Após o acidente com o Airbus A320 da TAM, o prédio do Oscar’s Hotel foi lacrado pelo prefeito Gilberto Kassab (DEM). Construído como se fosse um prédio comercial, o local, na verdade era um flat residencial. O hotel está nas proximidades do aeroporto de Congonhas e contra ele existe a acusação de prejudicar a navegação aérea na região. Depois do prédio, sua boate também foi fechada pela prefeitura.

    O empresário ainda não foi intimado da decisão que decretou a prisão, informou seu advogado, Daniel Majzoub.

    Contra-ataque

    Em outra decisão judicial, na terça-feira (7/8), a Justiça paulista autorizou Maroni Filho a arrancar “com suas próprias forças” os lacres que impedem o acesso ao hotel. A liminar foi concedida pelo desembargador Vinício Salles, do Tribunal de Justiça de São Paulo. Ele acatou pedido cautelar no Agravo de Instrumento apresentado pelo empresário contra decisão da 4ª Vara da Fazenda Pública, que autorizou o lacre do hotel.

    Maroni gosta de afirmar que mantém relações com políticos e outras pessoas poderosas e repete em suas entrevistas que já fez sexo com mais de 1.500 mulheres. O promotor usou as declarações do empresário na denúncia.

    Segundo a denúncia, no primeiro andar da boate funcionam 10 apartamentos com dormitório e banheiro. Os apartamentos são usados em alta rotatividade para a prática de atos libidinosos, conforme a denúncia. De acordo com o MPE, a casa de prostituição possui todo o equipamento e pessoal necessário para que o cliente possa manter relações sexuais efetuando o pagamento de valores fixados ou combinados com as prostitutas. A denúncia aponta 22 das quase 150 mulheres que trabalham na casa.

    Ainda de acordo com a denúncia, as mulheres eram atraídas com a promessa de lucro e recebiam R$ 300,00 pelo programa, sendo fiscalizadas para que ficassem o menor tempo possível com os clientes. A jornada diária era de 8 horas.

    Maroni também é acusado de fazer o concurso ‘Miss Garota de Programa’, cuja vencedora ganhava uma viagem para Las Vegas (EUA). Além do empresário, outras cinco pessoas foram denunciadas porque teriam participado do esquema.

    Revista Consultor Jurídico, 8 de agosto de 2007

    Responder
  • 4. donquixotedelaprensa  |  agosto 9, 2007 às 3:08 pm

    Rota de saída
    Dono da boate Bahamas pede ao TJ-SP para não ser preso
    por Fernando Porfírio

    O empresário Oscar Maroni Filho, dono da boate Bahamas e do Oscar’s Hotel, pediu Habeas Corpus à Justiça paulista para que não seja preso. Sua prisão preventiva foi decretada pelo juiz da 5ª Vara Criminal de São Paulo, Edson Aparecido Brandão, na segunda-feira (6/8). Maroni está foragido desde então.

    O pedido de Habeas Corpus foi distribuído para o desembargador Euvaldo Chaib, da 4ª Câmara Criminal do Tribunal de Justiça de São Paulo. O pedido de liminar deverá ser decidido esta quinta-feira (9/8).

    Oscar Maroni responde a processo criminal por favorecimento de prostituição, exploração de casa de prostituição, tráfico de pessoas e formação de quadrilha ou bando. Ele é apontado pelo Ministério Público como chefe de uma organização criminosa que afronta o Estado, incentivando mulheres à prostituição.

    Segundo a denúncia, o empresário mantém um estabelecimento voltado a atividades criminosas, sem o competente alvará de licença de localização e funcionamento. Ainda de acordo com a Promotoria, o denunciado estaria construindo um complexo de 11 andares ao lado da boate para aumentar seus negócios e manteve uma passagem ligando a boate ao hotel.

    “Contra o denunciado Oscar Maroni Filho existem mais do que indícios veementes de prática de crime formação de quadrilha ou bando, favorecimento da prostituição, exploração de casa de prostituição e tráfico interno de pessoas”, afirmou o promotor de Justiça, Carlos Blat. “Assim, visando assegurar a garantia da ordem pública e a efetiva aplicação da lei penal requeiro que seja decretada a prisão preventiva de Oscar Maroni Filho nos termos do que dispõe o artigo 312 do Código de Processo Penal”, completa o promotor.

    A investigação do Ministério Público Estadual começou em 2004. Na época, foram apreendidos na Bahamas documentos com nomes e telefones pessoais de funcionários da prefeitura paulistana, de policiais civis e militares da Aeronáutica. Nas agendas estão nomes de servidores do Contru, Secretaria da Habitação e Administração Regional.

    “Eles (os nomes) podem evidenciar a facilitação para obtenção de benefícios visando o funcionamento sem qualquer interferência das autoridades públicas do prostíbulo, além da eventual facilitação na obtenção de documentos para a edificação e futuro funcionamento de hotel”, diz a denúncia do MP estadual.

    Após o acidente com o Airbus A320 da TAM, o prédio do Oscar’s Hotel foi lacrado pelo prefeito Gilberto Kassab (DEM). Construído como se fosse um prédio comercial, o local, na verdade era um flat residencial. O hotel está nas proximidades do aeroporto de Congonhas e contra ele existe a acusação de prejudicar a navegação aérea na região. Depois do prédio, sua boate também foi fechada pela prefeitura.

    O empresário ainda não foi intimado da decisão que decretou a prisão, informou seu advogado, Daniel Majzoub.

    Contra-ataque

    Em outra decisão judicial, na terça-feira (7/8), a Justiça paulista autorizou Maroni Filho a arrancar “com suas próprias forças” os lacres que impedem o acesso ao hotel. A liminar foi concedida pelo desembargador Vinício Salles, do Tribunal de Justiça de São Paulo. Ele acatou pedido cautelar no Agravo de Instrumento apresentado pelo empresário contra decisão da 4ª Vara da Fazenda Pública, que autorizou o lacre do hotel.

    Maroni gosta de afirmar que mantém relações com políticos e outras pessoas poderosas e repete em suas entrevistas que já fez sexo com mais de 1.500 mulheres. O promotor usou as declarações do empresário na denúncia.

    Segundo a denúncia, no primeiro andar da boate funcionam 10 apartamentos com dormitório e banheiro. Os apartamentos são usados em alta rotatividade para a prática de atos libidinosos, conforme a denúncia. De acordo com o MPE, a casa de prostituição possui todo o equipamento e pessoal necessário para que o cliente possa manter relações sexuais efetuando o pagamento de valores fixados ou combinados com as prostitutas. A denúncia aponta 22 das quase 150 mulheres que trabalham na casa.

    Ainda de acordo com a denúncia, as mulheres eram atraídas com a promessa de lucro e recebiam R$ 300,00 pelo programa, sendo fiscalizadas para que ficassem o menor tempo possível com os clientes. A jornada diária era de 8 horas.

    Maroni também é acusado de fazer o concurso ‘Miss Garota de Programa’, cuja vencedora ganhava uma viagem para Las Vegas (EUA). Além do empresário, outras cinco pessoas foram denunciadas porque teriam participado do esquema.

    Revista Consultor Jurídico, 8 de agosto de 2007

    Responder
  • 5. keli  |  maio 19, 2008 às 4:28 pm

    demoro para abrir a casa mais bela de sp
    com o maroni ninguem pode
    espero que td de certo
    abraços

    Responder

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Trackback this post  |  Subscribe to the comments via RSS Feed


Tópicos recentes

agosto 2007
S T Q Q S S D
« jul   set »
 12345
6789101112
13141516171819
20212223242526
2728293031  

Blog Stats

  • 15,707 hits

%d blogueiros gostam disto: